2 de ago de 2016

Somente isso...




Eu sou o resto do amor de ontem que você guardou na geladeira.





Leia Mais ►

5 de jul de 2016

Pra Onde Vão?

Pra onde vão?
Onde estarão?
Todas palavras de amor que jurei
Pra você, só pra você...

Estarão em gavetas guardadas
Esquecidas em seu coração
Estarão enterradas
Em  reinos de desilusões

Pra onde vão?
Onde estarão?
Os tremores que senti
Por você, só por você.

Estarão navegando,
Nos rios em minhas veias
Desaguando em mares,
Seculares dentro de mim
Sem saída, sem escape.
Você sem fim em mim...

Pra onde vão?
Onde estarão?
Os sonhos que planejei
Com você, só com você...

Estarão vagando
Por umbrais dos natimortos
Lamentando, entorpecidos.
Que jamais serão reais
Com você
Jamais serão reais

Pra onde vou?
Onde estarei?
Quando descobrir enfim
Que sem você não há mais nada dentro de mim
Você, você.
Você sem fim em mim


Em mim
Leia Mais ►

6 de dez de 2015

Suicida



Ele estava com um problema que parecia não ter mais fim. Estava falido e as dívidas se acumulam como água perto de bueiro entupido. Decidira que iria matar-se, decidira e pronto.
Mulher e filhos haveriam de compreender, a vida para ele era um tormento sem fim, horas e horas de angustia e dor.
Mas o problema que parecia não ter fim era exatamente este... Como matar-se? Julgou a principio que sem bebida não teria coragem suficiente, então na primeira tentativa comprou uma garrafa de vodka e a bebeu num gole, ou dois, não importa, mas bebeu e sentiu-se ótimo! Era invencível, no dia seguinte começaria vida nova, não havia motivos para matar-se. Era um homem feliz.
O drama, é que pelas manhãs, cheio de ressaca e dor, voltava a ser um lixo.
-Hoje vou me matar, não preciso beber, vou me atirar do prédio, será hoje!
Mas na hora H sentia que era preciso beber, sem bebida, sem coragem, comprou algo mais leve, um vinho, bebeu-o inteiro, olhou pela janela de onde planejava se jogar e achou as estrelas lindas, sentiu uma nova força interior, o vinho de Dionísio deu-lhe consciência que poderia mudar seu destino, assim dormiu confiante.
Nos dias que se seguiram era a mesma coisa, bebia pra criar coragem pra morrer e a bebida parecia lhe dar vontade pra viver. Um flagelo tal como Sísifo, Tântalo e Prometeu.

De cirrose morreu.


Por Vivian Guilhem
Leia Mais ►
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Licença Creative Commons

Esta licença permite a redistribuição e o uso para fins comerciais e não comerciais,
contanto que a obra seja redistribuída sem modificações e completa,
e que os créditos sejam atribuídos ao autor
Creative Commons Atribuição-SemDerivações 4.0 Internacional